sexta-feira, 1 de julho de 2011

Rubem Alves


Quero falar um pouquinho deste ser humano maravilhoso. Às vezes pode acontecer de adorarmos um escritor, poeta, músico, artista, mas não sabermos muito da vida pessoal dele. Vou fazer bem resumidinho.

Ele nasceu em Boa Esperança, sul de Minas Gerais (é mineiro uai!... só podia, né?), em 15/09/33.
Mudou-se para o Rio de Janeiro em 45. Vivia solitário e sem amigos, por isso, resolveu buscar ajuda na religião. Entre 57 e 63, tornou-se pastor da Igreja presbiteriana (isso mesmo, pastor??!!). Em 59 casa-se e tem 3 filhos. Em 63 foi estudar em Nova York, retornando ao Brasil em 64, como Mestre em Teologia pelo Union Theological Seminary. Em 68, foi denunciado como subversivo pelas autoridades da Igreja Presbiteriana, e com isso, foi perseguido pelo regime militar. Abandonou a igreja presbiteriana e retornou com a família para os Estados Unidos, fugindo das ameaças que recebia. Lá, torna-se Doutor em Filosofia (Ph.D.) pelo Princeton Theological Seminary.
Em 69 volta para o Brasil. Vai viver em Campinas. É nomeado professor-titular na Faculdade de Educação da UNICAMP e, em 79, professor livre-docente no IFCH daquela universidade. É nomeado professor-titular na Faculdade de Educação da UNICAMP e, em 79, professor livre-docente no IFCH daquela universidade. Em 88, foi professor-visitante na Universidade de Birmingham, Inglaterra. Posteriormente, a convite da "Rockefeller Fundation" fez "residência" no "Bellagio Study Center", Itália.
Ele é escritor, psicanalista, teólogo e educador brasileiro.Na literatura e na poesia encontrou a alegria que o manteve vivo nas horas más por que passou. Admirador de Adélia Prado, Guimarães Rosa, Manoel de Barros, Octávio Paz, Saramago, Nietzsche, T. S. Eliot, Camus, Santo Agostinho, Borges e Fernando Pessoa, entre outros, tornou-se autor de inúmeros livros, é colaborador em diversos jornais e revistas com crônicas de grande sucesso.
Hoje o autor é membro da Academia Campinense de Letras, professor-emérito da Unicamp e cidadão-honorário de Campinas, onde recebeu a medalha Carlos Gomes de contribuição à cultura.

Pois é...isto tudo é Rubem Alves. Quem o lê muito, sabe bem que nem parece...
Por vezes quando o estou lendo, sinto vontade de levantar e aplaudi-lo de pé, mesmo que ele não esteja me vendo...
A humildade, simplicidade e sabedoria sem fim passou por aqui...e nós tivemos a honra de viver ou conviver com ele, aqui, na mesma época...
Aproveitemos e leiamos mais e muito Rubem Alves...e que apreendamos as suas valiosas lições...

Esta é uma das suas obras mais recentes.  Aqui ele vai passear por diferentes mundos (eu diria 'roças',  ao observar como ele consegue com tanta simplicidade falar dessas pessoas...só ele mesmo): Descartes, Nietzsche, Marx, Agostinho de Hypona, Kierkegaard, Kant (autores difíceis de ler, só para quem gosta muito de Filosofia profunda...teve uma época em que eu os devorava, numa busca incrível, procurando desvendar  a existência humana...), assim como Goethe, Mário Quintana, Fernando Pessoa, R. Barthes, Manoel de Barros, Octavio Paz, entre outros, passando também pela música e pelos grandes pintores, mas como só R. Alves  enxerga, fala, escreve...como se falasse de flores, jardinagem, cozinha...maravilhoso...!



Você quer mais Rubem Alves? saber de toda a sua bibliografia? entre aqui ó, na Casa de Rubem Alves!

5 comentários:

POR CARLOS EDUARDO DEVIENNE FERRAZ disse...

Muito bom!!! É muito importante divulgar as pessoas realmente importantes deste país para o público. Rubens Alves leva o homem a confrontar suas crenças, costumes, moral, etc., e quem sabe mudamos para melhor.

bjs

Beth/Lilás disse...

Bom Dia, Cerejinha Lizete!
Ahh este é o meu escritor favorito!
Sou, talvez, uma das maiores divulgadoras de sua obra e meu sonho, sempre digo, é um dia conhecê=lo pessoalmente, apertar aquelas mãos que produziram tantos belos textos.
Eu o amo!
E sei porque. Por que ele escreve as coisas que minha mãe contava, escreve com sentimentos, sem vaidades, sem esnobismo, cada palavra brota do coração e da alma, muito mais que das pontas dos dedos.
Este lindo livro acima eu comprei, li inteiro num dia só e enviei para uma amiga blogueira em Portugal que, igualmente a nós, apaixonou-se e só quer ler sobre ele agora.
Sua postagem veio para acrescentar às muitas que já fiz sobre ele, pois você o apresentou inteiro, como grande escritor e pessoa que é.
amei!
beijinhos cariocas

Menina no Sotão disse...

Eu estive lendo "quando eu era menino" dele. Mas te confesso que nada sabia além do que diz em seu livro. Mas eu sou assim mesmo, demoro a me interessar pelo autor, as vezes suas palavras dizem muito mais do que sua biografia que parece falar de alguém que não se encaixa na ilusão que crio a partir das palavras que encontro. rs
Loucura intima, pessoal e intransferível. rs

bacio

maria neusa guadalupe disse...

Bom conhecer mais um livro desse grande escritor...esse ainda não tenho,mas terei..rs...beijos gratos e amigos.

Toninhobira disse...

Já ri aqui sozinho em ler voce exaltando o Rubem por ser mineiro, no inicio de seu texto.Voce é de origem mineira tambem?
Mas este escritor é tudo de bom,não tem palavras para dimensiona-lo.
Já que voce gosta dele,leia esta,
claro que ja deve ter lido,mas leia de novo:

Sobre a Cozinha
“Nas casas de Minas, a cozinha ficava no fim da casa. Ficava no fim não por ser menos importante, mas para ser protegida da presença de intrusos. Cozinha era intimidade. E também para ficar mais próxima do outro lugar de sonhos, a horta-jardim. Pois os jardins ficavam atrás. Lá estavam os manacás, o jasmim-do-imperador, as jabuticabeiras, laranjeiras e hortaliças. Era fácil sair da cozinha para colher chuchus, quiabos, abobrinhas, salsa, cebolinha, tomatinhos vermelhos, hortelã e, nas noites frias, folhas de laranjeira para fazer chá.”

E num é que de minha mãe é bem assim,kkkk.
Um abração amiga pra voce todos deste maravilhoso lar.
Bju de luz nos seus dias de muita alegria e harmonia.